Pular para o conteúdo
Voltar

Com recursos de projetos e de parcerias, unidade de Vila Bela melhora estrutura

Está sendo finalizada a construção de uma calçada ao redor de toda muralha da unidade prisional feita com a mão de obra de 12 reeducandos.
Raquel Teixeira | Sesp-MT

- Foto por: Sispen
A | A

A unidade prisional de Vila Bela da Santíssima Trindade (562 km a oeste de Cuiabá) ganhou mais uma obra que reforça a segurança do local. Está sendo finalizada a construção de uma calçada ao redor de toda muralha da unidade, feita com a mão de obra de 12 reeducandos.

O diretor da cadeia, Edvan Coelho, explica que a obra foi possível graças aos recursos obtidos com a venda de móveis fabricados na marcenaria e das hortaliças cultivadas na unidade. “Também tivemos doações por meio do conselho da comunidade e doações de materiais de construção de uma empresa agropecuária. Desta forma foi possível fazer 400 metros quadrados de calçadas e melhorar a infraestrutura da unidade”, observa o diretor.

Horta e marcenaria

Duas das principais frentes de trabalho para os reeducandos instaladas na unidade prisional, a marcenaria e a horta hidropônica rendem recursos com a vendas dos produtos que são revertidos na melhoria da cadeia. Parte das hortaliças também é doada às creches do município.

A horta hidropônica foi a primeira no modelo criada numa unidade prisional, em uma área antes sem utilidade, e se transformou em um projeto de sucesso desenvolvido pela direção e servidores. Por mês, são colhidos em torno de 4 mil pés de alface de três tipos e rúcula que auxiliam na merenda de estudantes de creches e escolas da cidade e uma parte é revendida para a empresa que fornece alimentação à unidade prisional.

"A demanda é grande e ampliamos a estrutura para atender a necessidade de produção", afirma o diretor, Edvan Coelho. Um técnico agrícola do município instruiu os reeducandos no plantio e cultivo de hortaliças. 

Na marcenaria são fabricados móveis de diversos modelos e também já foram reformados mobiliários de escolas do município. Além da remição de pena que os reeducandos recebem pelo trabalho, há o retorno social com a prestação de serviços à população.

A unidade está organizando agora para atender aos pedidos de mão de obra dos reeducandos na reforma e limpeza de prédios públicos do município. A direção aguarda liberação da justiça para a saída dos presos.