Pular para o conteúdo
Voltar

Adolescentes de unidade socioeducativa trabalham em cultivo de hortaliças

O projeto da horta surgiu pela iniciativa de um servidor e conta com apoio da equipe da unidade na compra de insumos para o cultivo.
Raquel Teixeira | Sesp-MT

- Foto por: Case Rondonópolis
A | A

Servidores do Centro de Atendimento Socioeducativo de Rondonópolis (218 km ao sul de Cuiabá) estão desenvolvendo uma série de atividades laborais e educativas para os adolescentes internados na unidade. Uma delas é o cultivo de uma horta. Os primeiros legumes e verduras já foram colhidos e entregues a familiares dos adolescentes.

O projeto da horta surgiu pela iniciativa do servidor e educador físico Hadock Cavalheiro, que tem experiência com o cultivo de hortaliças. “Com o espaço interno da unidade disponível, ele viu a possibilidade de criarmos o projeto. Fomos coletando recursos com os servidores do Case e cada setor ajudou com o que podia, além de verbas oriundas de outros órgãos”, explica o gerente da unidade socioeducativa, Thiago Brito.

Uma vez por semana os adolescentes colhem as hortaliças e entregam para os familiares que vão até a unidade buscar. “Isso faz com que os adolescentes se sintam mais responsáveis por zelar e cooperar com o projeto”, acrescenta Thiago. 

Orientações sobre saúde e trabalho

Equipe técnica da unidade socioeducativa de Rondonópolis desenvolveu neste mês uma série de palestras sobre saúde e mercado de trabalho com os adolescentes. Uma delas tratou da higiene bucal e escovação e foi ministrada pela equipe de enfermagem. A inserção no mercado de trabalho foi tópico discutido em outra palestra realizada pela equipe de assistentes sociais da unidade e do Ministério do Trabalho.

Palestra sobre inserção no mercado de trabalho leva informações aos adolescentes da unidade socioeducativa

O gerente do Case destaca que a iniciativa integra as atividades da unidade voltadas à educação. “Temos diversas dúvidas vindas do adolescente e momentos como estes esclarecem e os auxiliam também a refletir”, afirma Thiago. 

Outra atividade com participação de todos os adolescentes internados foi a roda de conversa sobre uso e efeitos das drogas psicotrópicas, atividade coordenada pela equipe de psicólogas.