Pular para o conteúdo
Voltar

Trabalhos de reeducandos de Pontes e Lacerda é exposto em evento do IFMT

Estão à mostra tapetes, conservas, artesanato e produtos da marcenaria da unidade prisional
Fernanda Nazário | Sejudh

A | A

Projetos desenvolvidos na unidade prisional de Pontes e Lacerda estão expostos no Workshop de Ensino, Pesquisa, Extensão e Inovação (WorkIF) realizado pelo Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), no Centro de Eventos do Pantanal, em Cuiabá.  A mostra começou nesta terça-feira (27.011) e segue até às 18h30 desta quarta-feira (28.011). A entrada é gratuita. 

Os visitantes podem conferir diversos produtos fabricados pelos reeducandos, como  jogos de mesa e tábua de carne confeccionados na mercenária da unidade; cestas e brinquedos de pallet de madeira; conservas e tapetes.

Conforme o diretor da unidade, Marcelo Wagner de Oliveira, engajar os reeducandos nas atividades de ressocialização é imprescindível para mudança de vida. "Ao mostrarmos os produtos para outras pessoas os internos ficam felizes por terem seu trabalho apreciado e isso pode até incentivá-los", acredita Marcelo.

Ressocialização

Com objetivo de promover a ressocialização dos reeducandos e mante-los ocupados, a unidade de Pontes e Larceda tem três postos de trabalhos intramuros que envolvem a mão de obra de 10 presos.

Na marcenaria, eles fabricam e reformam diversos móveis. No posto de artesanato são confeccionados materiais com crochê e objetos decorativos com pallet. Já na horta são plantadas diversas hortaliças, como alface, pimenta, berinjela, quiabo, jiló, cebolinha, salsa, rúcula, etc. Parte da produção colhida na horta é consumida na unidade e doada para o lar dos idosos e hospital da cidade. 

Além dos postos de trabalho, Marcelo informa que a unidade tem uma parceria com o IFMT em que um professor ministra aulas de alfabetização para um grupo de 12 reeducandos.

WorkIF

WorkIF é um evento promovido pelo IFMT desde 2010 que tem contribuído significativamente para o desenvolvimento científico e tecnológico do país, ao atrair massivamente alunos, professores, empresários, da indústria envolvida em pesquisa e desenvolvimento e o fomento da mudança cultural, resultando na alavancagem do empreendedorismo, um dos motores da inovação.